Marcelino Freire “quebra” novos paradigmas da literatura com Maia Veloso

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
Hoje, quinta-feira, Maia Veloso entrevista o vencedor do Prêmio Literário da Biblioteca Nacional, o Escritor Marcelino Freire é o entrevista da próxima semana no Falando Nisso. Nascido em 1967 em Sertânia, PE, vive em São Paulo desde 1991. É autor, entre outros, de “Angu de Sangue”, “Contos Negreiros” e “Nossos Ossos”. É também curador da Balada Literária, evento que acontece anualmente desde 2006 no bairro paulistano da Vila Madalena.
unnamed (2)

O escritor pernambucano abriu o Projeto Quebras em Teresina. O projeto selecionado no Rumos 2013-2014, principal programa do Itaú Cultural para o fomento e apoio à produção cultural do Brasil e uma das mais longevas plataformas de incentivo do país segue, ainda, para Rio Branco, Maceió, Macapá, Manaus, Vitória, Goiânia, São Luís, Cuiabá, Campo Grande, Belém, Porto Velho, Boa Vista, Aracaju e Palmas, em datas a confirmar. Em cada cidade, um poeta ou escritor local será o convidado especial.

Quebras é um trabalho multidisciplinar para dar visibilidade a escritores e artistas cuja produção se encontra fora do eixo Rio-São Paulo mas que merecem ser conhecidos em todo o país. “A oficina é aquilo que chego oferecendo, trocando com cada cidade”, conta Marcelino. “Lá, a gente faz amigos, acentua afinidades, provoca reflexões e é provocado. É só um comecinho de conversa, uma ponta de uma vasta estrada”, continua para, como bom poeta, concluir: “A partir dali, vou pegando esquinas, picadas, outros movimentos em volta. Irei a saraus, festas, o que eu sentir a cada deslumbramento, descoberta.”

Esses textos, segredos e descobertas, mais as anotações em seu caderno de viagem resultarão, em 2015, em um livro a ser lançado na Balada Literária, evento anual que reúne escritores do bairro paulistano Vila Madalena desde 2006, do qual Marcelino é curador e organizador.

A inspiração para o Quebras foi a autora Carolina Maria de Jesus, descoberta ao acaso em uma favela paulistana em 1958 e que escreveu o clássico Quarto de Despejo, traduzido em 13 idiomas. Autor dos livros Angu de Sangue (Ateliê Editorial), Contos Negreiros (Editora Record – Prêmio Jabuti 2006) e Nossos Ossos (Record). “Com Quebras realizo o desejo de conhecer esses autores marginais que estão fazendo a literatura brasileira atual fora dos cânones estabelecidos.”

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Seja o Primeiro a Comentar